A eficiência de uma cirurgia plástica não depende somente do seu planejamento cirúrgico. A preocupação com os cuidados no pré e pós-operatório tem demonstrado fator preventivo de possíveis complicações e promoção de um resultado estético mais satisfatório. Atualmente, a fisioterapia vem agregando notável importância a este segmento. Utilizando-se de seus recursos terapêuticos específicos com o objetivo preparatório à intervenção cirúrgica, acelerar o processo de recuperação pós-operatória e a prevenção e controle de complicações comuns.

Atuação da Fisioterapia na fase do Pré-operatório:

O paciente é orientado quanto a importância da Fisioterapia no processo pré e pós operatório, neste período, será realizada uma avaliação fisioterápica e documentadas as características prévias deste paciente.  Neste período já é indicado à drenagem linfática, a fim de prevenir complexos edemas pós-operatórios, principalmente em pacientes obesos

Atuação da Fisioterapia na fase do Pós-operatório:

 A fisioterapia apresenta maior atuação neste período. É importante ser realizada reavaliação fisioterápica, onde serão analisadas as características decorrentes à cirurgia e serão comparados os dados documentados na avaliação anterior. Alguns aspectos apresentam maior importância, como: análise do trofismo cutâneo e muscular, análise do edema, análise da cicatriz e análise da dor e sensibilidade.

 O objetivo maior nessa fase é reduzir o edema, melhorar a circulação sanguínea, auxiliar na remoção de hematomas, acompanhar e acelerar o processo de cicatrização, e recuperação pós-operatório, aumentando a hidratação e nutrição celular.  Prevenção de fibroses, nódulos subcutâneos, retrações cicatriciais, lipoma, seroma, enfisema cutâneo, retrações cicatriciais, déficit de sensibilidade e contratura muscular.

O planejamento do trabalho fisioterápico no pós-operatório é amplamente variável e depende das características apresentadas na avaliação, do tipo de cirurgia realizada, e do tempo de pós-operatório. São muitas as técnicas fisioterápicas utilizadas na fase pós-operatória mais a Drenagem linfática tem um lugar de destaque entre os tratamentos aplicados. Ela pode ser realizada isoladamente ou em associação com outros tratamentos. É um procedimento que tenta auxiliar o organismo num processo natural para drenar os líquidos que devem ser eliminados.

Após uma cirurgia, a pessoa normalmente retém uma quantidade de líquido maior do que o corpo consegue drenar, e por isso a drenagem linfática é necessária a fim de reduzir a retenção hídrica, melhorar a circulação sanguínea, prevenção de fibroses entre outros benefícios.

 Algumas da técnicas utilizadas:

Drenagem Linfática: Massagem feita com movimentos suaves de deslizamento dos dedos sobre a superfície da pele, seguindo um trajeto que acompanha os vasos linfáticos, cuja benefícios principais é evitar a retenção de líquidos no organismo, melhorar a circulação sanguínea e aliviar dores. Ela também melhora a celulite, alívio nas dores musculares e pernas cansadas;

Microcorrentes: Regenera o retalho cutâneo na fase de cicatrização, vários autores descrevem a redução da isquemia do retalho e a normalização do número dos fibroblastos evitando a necrose e prevenindo as cicatrizes hipertróficas;

Ultra Som (US): O objetivo principal é diminuir o processo fibroso ou aderência; alívio da dor e o aumento do fluxo sangüíneo.

Pode ser utilizado na fase pós-operatória imediato quando o efeito atérmico é indicado na fase da inflamação, que é uma fase dinâmica de reparo. Seu efeito mecânico é uma micro massagem tecidual que melhora a circulação interna e a remodelação de tecido conjuntivo. 

No pós-operatório tardio utilizamos o US com efeito térmico que aquece seletivamente os diferentes tecidos internos, provocando uma redução da percepção de dor, aumento do fluxo sangüíneo para os tecidos, aceleração da resolução dos processos inflamatórios e reorganização do tecido cicatricial;

Laser: Proporciona uma reparação tecidual muito mais rápida, diminuindo assim o tempo de desconforto de um pós-operatório no processo cicatricial;

Alta Frequência: Principal efeito o a fato de ser um bactericida e anti-séptico ( a formação de ozônio ao nível da pele tem ação desinfetante);

Técnicas manuais de descolamento mio-fascicular, deslizamento superficial e profundo;

Técnicas de otimização do aparelho respiratórios;

Endermoterapia: Utilizado na fase tardia no tratamento de contraturas musculares e fibroses;

Reeducação Postural: Tratamento de processos dolorosos compensatórios e posturais que pode vim a se iniciar em decorrência da imobilidade do pós-operatório podendo levar a cervicalgias, lombalgias entre outros desconfortos; entre outros.

Como vimos anteriormente a atuação da Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgia plástica é muito amplo, e com deferentes tipos de aparelhos e técnicas que valorizam a recuperação do paciente com resultados bastante satisfatórios na recuperação da cirurgia.